Com novos e antigos destaques, Brasileirão começa com um alvo em comum

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Flamengo é o atual campeão brasileiro. Foto: Alexandre Vidal/CRF

O Campeonato Brasileiro de 2021 já está batendo na porta. Apenas três meses após o fim da última edição, o principal torneio nacional começa neste sábado (29), reunindo antigas referências e novos candidatos a ídolos. No entanto, um objetivo reúne todas as tribos: desbancar o atual campeão Flamengo.

Algumas equipes têm conseguido grandes investimentos, montando elencos caros e trazendo peças de destaque. Mas na prática, no campo, com a bola rolando, o Flamengo foi, de longe, quem mais conseguiu traduzir o dinheiro gasto em sucesso desportivo. Não à toa, nadou de braçada nos dois últimos Brasileirões e agora desafia seus rivais a tentarem ameaçar sua soberania.

A maioria dos torcedores já tem, na ponta da língua, a lista de possíveis novos protagonistas na tabela da competição. Além do Rubro-Negro, podem surgir Atlético-MG, São Paulo, Palmeiras e Grêmio no pelotão da frente. Com características marcantes em seus estilos de jogo e figurinhas carimbadas nos elencos, todos se degladiarão durante penosas 38 rodadas em um ano de Olimpíada, Copa América e ainda assombrados pela pandemia do novo coronavírus.

O protagonista

Atualmente, é inviável falar de Campeonato Brasileiro sem falar de Flamengo. Em 2019 e 2020, mesmo com momentos bastante distintos, o clube esteve em outro patamar.

No primeiro, com o português Jorge Jesus, montou um ‘padrão europeu’ de jogo e passeou contra os adversários e levantou o caneco com quatro rodadas de antecedência e num final de semana onde sequer entrou em campo – pois estava ocupado vencendo também a Libertadores.

Já no segundo, mesmo com a saída do ‘Mister’, conseguiu controlar a margem de erro e, muito pela qualidade individual, levantou a taça novamente. Num campeonato onde ninguém queria vencer, os jogadores deram a resposta necessária ao investimento da diretoria, mantendo o clube no topo.

Com Rogério Ceni no comando, o teste vai ser difícil. Ainda devendo demonstrações do seu melhor futebol, o grupo precisará de fôlego e resistência – pois, mais do que nunca, estará na alça de mira dos adversários. O Rubro-Negro precisará subir o nível atual para se manter na ponta, isto é fato; mas jogadores como Gabigol, Éverton Ribeiro, Gerson (que pode sair), Pedro, Rodrigo Caio, Arrascaeta e Bruno Henrique já provaram que seguram o rojão. Quem paga para ver?

Sedentos por canecos

Na cola do Fla, fungando no cangote, dois fortíssimos inimigos surgem – em momentos diferentes. O Palmeiras, que emendou Libertadores e Copa do Brasil em 2020, e o Atlético-MG, ansioso por voltar às glórias de outros tempos. Em comum, as altas cifras investidas em nomes de peso e técnicos de ponta.

O Porco, sob o comando do portuga Abel Ferreira, busca comprovar sua força também nos pontos corridos. O momento não é dos melhores, já que acumula três vice-campeonatos na temporada – Paulistão, Recopa Sul-Americana e Supercopa do Brasil.

Por outro lado, a equipe vem bem na atual Libertadores e possui um dos elencos mais equilibrados do país, com nomes como Rony, Patrick de Paula, Gustavo Gómez, Luiz Adriano e Raphael Veiga, além da volta do ídolo Dudu.

O Galo, que trouxe Cuca, campeão da Liberta pelo clube, de volta como treinador, aumentou ainda mais o já alto investimento na equipe. Além de manter a boa base com Arana, Guga, Keno e Savarino, o clube mineiro se reforçou com nomes de ponta como Hulk e Nacho Fernández. Com o título mineiro e a melhor campanha da fase de grupos da Libertadores, a equipe alvinegra vai com tudo para conquistar o Brasileirão – o que não acontece desde 1971.

Possíveis surpresas

Um pouco abaixo dos três favoritos, mas também com muito valor. Assim podemos definir Grêmio e São Paulo, campeões estaduais diante de seus maiores rivais e, consequentemente, embalados para a Série A. Certamente não lideram as casas de apostas, mas não podem ser considerados azarões na briga pelo título.

Após levantar sua primeira taça desde 2012, o Tricolor Paulista ficou com o gostinho de ‘quero mais’ na boca. Com boas peças e uma organização tática interessantíssima montada pelo argentino Hernán Crespo, o clube do Morumbi entra na competição buscando afirmação a nível nacional e figura entre os reais postulantes ao título depois de alguns anos. Liderada por Martín Benítez, Miranda e Daniel Alves, a equipe paulista pode sofrer pela falta de um elenco com mais peças que mantenham o nível competitivo.

Depois de superar o Inter e empilhar seu quarto estadual consecutivo, o Tricolor Gaúcho chega ao Brasileiro com novo fôlego – trazido pela chegada do novo técnico, Tiago Nunes. Após a era vencedora sob a batuta de Renato Portaluppi, o Imortal busca novos vôos. Depois de festejar a Copa do Brasil e a Libertadores, virando o ‘Rei das Copas’, o clube quer provar seu valor também nos pontos corridos.

Unindo nomes experientes como Geromel, Diego Souza, Rafinha e Thiago Santos a jovens promessas como Matheus Henrique, Luiz Fernando, Jean Pyerre e Ferreirinha, o Grêmio tentará morder pelas beiradas mantendo o equilíbrio em um grupo não muito numeroso.

Mudando o foco

Nem só de título vive o Brasileirão. Democrático e extenso, nosso torneio nacional é conhecido por se dividir em diversas brigas diferentes. Vagas na Libertadores, disputa pela Sul-Americana, desespero contra o rebaixamento… todas prometem pegar fogo.

Equipes que agradam ao público pela maneira de jogar, como Fluminense, Red Bull Bragantino, Atlético-PR e Ceará; clubes que precisarão provar sua força entre os grandes sem tantos recursos, como Cuiabá, Juventude, Chapecoense, Sport e América-MG; times que podem surpreender nas disputas intermediárias, como Atlético-GO, Bahia, Fortaleza; gigantes precisando recuperar prestígio, como Santos, Internacional e Corinthians. Há futebol para todos os gostos. Qual é o seu?