Assaltantes fingiram ser passageiros para matar taxista em SG

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
táxista em SG
Francisco foi morto por dois assaltantes que se passaram por passageiros. Foto: Arquivo Pessoal

“Quanto vale uma vida? A do Chiquinho valeu uma viagem de R$ 15”

O relato é de um dos sobrinhos do taxista Francisco Moreira da Costa Filho, de 53 anos, morto após pegar dois passageiros em um ponto de táxi e ser vítima de um assalto, na tarde desta quinta-feira (25), no trajeto entre o Centro e o Galo Branco, em São Gonçalo.

De acordo com familiares da vítima, que estiveram na sede do Instituto Médico Legal (IML) de Tribobó, em São Gonçalo, na manhã desta sexta-feira (26), Francisco morava no Fonseca, na Zona Norte de Niterói, e trabalhava há mais de 15 anos como taxista. Sem saber o destino, o profissional embarcou dois homens no ponto de táxi localizado próximo a um shopping no Centro de São Gonçalo. A dupla afirmou que iria para uma via localizada a poucos metros de uma escola particular no Galo Branco.

“Cadê os Direitos Humanos, o Ministério Público, a OAB? Só aparecem quando morrem envolvidos com o tráfico de drogas?! Meu tio era trabalhador e morreu quando fazia o que gostava por dois delinquentes que alguns ainda defendem. Não é possível que ninguém vá fazer nada. Até quando vai morrer inocente e as famílias continuaram chorando?!”

Familiar, que preferiu ter a identidade preservada

Viagem cruel

Apaixonado por futebol e torcedor do Botafogo, Chiquinho, como era conhecido, era muito querido pelos amigos e tinha o hábito de jogar futebol aos domingos. Ele não tinha filhos e tratava os sobrinhos como se fossem as suas ‘crias’. Um deles revelou ser muito apaixonado pelo tio e que vai sentir muita saudade.

táxista em SG
Taxista era apaixonado pelos sobrinhos e pelo Botafogo. Foto: Arquivo pessoal

“Após chegar no endereço de destino dos criminosos, eles anunciaram o assalto e atiraram no meu tio. Abandonaram o corpo dele no meio da rua. Isso é inadmissível. Até quando?!”

Após ser baleado e abandonado pelos criminosos no meio da rua, ele foi socorrido por um pedestre e levado para o Hospital Estadual Alberto Torres (Heat), no Colubandê. A dupla de criminosos não conseguiu levar o automóvel utilizado pelo taxista, modelo Chevrolet Spin, e roubou apenas o aparelho celular da vítima.

Nas redes sociais, familiares e amigos de Chiquinho lamentaram a morte e cobraram por justiça.

“Primo, está difícil de acreditar que você nos deixou.. Uma pessoa extraordinária, que nos alegrava com o seu jeito de ser, sempre sorrindo. Que Papai do Céu te receba de braços abertos”

Celso José Wermelinger, presidente do Sindicato de Taxistas de Niterói (SindTaxi), responsável por outros 17 municípios, lamentou a morte do taxista e desejou força aos familiares e amigos da vítima.

“Lamentamos a morte do Chiquinho, que era muito querido entre nós. Um trabalhador, honesto. Saiu para trabalhar e foi vítima da insegurança que reina em todo o estado do Rio, principalmente em São Gonçalo”

Questionada, a Polícia Civil limitou-se a dizer que ‘as investigações estão em andamento na Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSG)’. Segundo a polícia, ‘os agentes coletam informações e realizam outras diligências para identificar a autoria do crime e esclarecer o caso’.