Festa íntima em presídio do Rio detona escândalo na Seap

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Complexo de Penitenciário de Gericinó, em Bangu, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Foto Karina Cruz

Uma ‘festa intima’ entre 15 mulheres e presos chefes de uma organização criminosa do Rio resultou na abertura de inquérito investigativo na Secretária de Administração Penitenciária (Seap). Por conta da denúncia, dois diretores e o chefe da segurança foram exonerados dos cargos, nesta terça-feira (11). A visita ilegal aconteceu no último dia 23 de dezembro, na Penitenciária Jonas Lopes de Carvalho (Bangu 4), no Complexo de Gerincinó.

De acordo com a assessoria da Seap, outros seis servidores que estavam de plantão no dia foram transferidos para presídios foram de Bangu e também serão alvos de investigação.

Nove presos, entre eles um dos principais líderes da facção conhecida como Terceiro Comando Puro, Marcelo Santos das Dores, o Menor P, chefe do tráfico do Complexo da Maré, foram transferidos para para a Penitenciária de segurança máxima Laércio da Costa Pelegrino (Bangu 1).

Em nota, a Seap informou que as investigações se iniciaram no dia 4 de janeiro e após a apuração, determinou a exoneração e as transferências. “A Seap ressalta que não compactua com qualquer irregularidade no interior das unidades prisionais e que a Corregedoria do órgão atuará, com o rigor que a lei permitir, para identificar e punir os envolvidos”.

A Justiça do Rio determinou que seja realizada busca e apreensão na unidade para apurar a entrada irregular de mulheres que fizeram visitas intimas irregulares para os traficantes.

Saiba quem são os traficantes denunciados

  1. Marcelo Santos das Dores , o Menor P, chefe do tráfico do Complexo da Maré
  2. Anderson da Silva Verdan, o Bamba, chefe do tráfico do Para Pedro
  3. Thiago de Souza Cheru, o Dorei , gerente do Complexo de São Carlos
  4. Thiago Rodrigues da Silva, o TH , gerente da Favela da Quitanda
  5. Luís Alberto Santos de Moura, o Bob, chefe do tráfico do Caju
  6. Luís Augusto Ribeiro Campos, o Tribolado, gerente da Cidade Alta
  7. Juliano, o Juliano da Vila, gerente da Vila aliança
  8. Emerson Brasil da Silva, o Raro, chefe do tráfico do Morro da Pedreira
  9. Dourado, criminoso do Paraná ligado ao traficante Capilé da favela do Acari