Inter de Milão pressiona e vence Shakhtar Donetsk com dois gols de Dzeko

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Dzeko marcou os dois gols da vitória da Inter sobre o Shakhtar. Foto: Reprodução/Redes Sociais

Água mole em pedra dura…. A Internazionale de Milão pressionou o Shakhtar e teve dois gols anulados antes de construir o 2 a 0, nesta quarta-feira (24), válidos pela quinta rodada da Champions League. Depois de três temporadas parando na fase de grupos, a equipe italiana está muito perto de conseguir a vaga nas oitavas de final.

Além de vencer os ucranianos, a equipe italiana precisaria torcer por um triunfo do líder Real Madrid sobre o Sheriff, da Moldávia, a grande surpresa desta edição da Champions League, para confirmar matematicamente um lugar no mata-mata. Por isso, a rodada ganhou contornos de decisão para os nerazzurri.

Querendo garantir logo a classificação às oitavas de final, a Inter de Milão iniciou o jogo com uma verdadeira blitz ofensiva, enquadrando o virtualmente eliminado Shakhtar em seu campo de defesa. Nos três primeiros minutos, foram quatro finalizações e dois escanteios para os donos da casa.

Com um ferrolho bem postado no primeiro terço de campo, no entanto, o Shakhtar conseguiu resistir à pressão inicial e equilibrou as ações logo em seguida. Sem grandes ambições na competição, o técnico Roberto de Zerbi buscava aprimorar seu sistema de jogo e almejava uma vaga na Europa League.

Depois de um início avassalador, o jogo perdeu um pouco de ritmo – mas seguiu com a posse de bola dividida. Aos 20, Fernando recebeu ótimo passe de Pedrinho e ficou cara a cara com o goleiro Handanovic, mas acabou finalizando em cima do goleiro. Na sequência, aos 21, Lautaro Martínez finalizou duas vezes antes de ganhar o escanteio.

A Inter de Milão chegou a abrir o placar após nova sequência de ataques. Aos 24, Perisic recebeu cruzamento de Darmian e emendou de canhota para o gol – mas o assistente levantou a bandeira sinalizando impedimento na origem da jogada, anulando o primeiro tento da partida.

Os italianos seguiram pressionando. Aos 26, Dzeko recebeu na marca do pênalti e finalizou em cima do goleiro Trubin. Na sequência do lance, em cruzamento vindo da esquerda, novamente Dzeko subiu mais que a defesa e cabeceou para mais uma grande defesa do arqueiro ucraniano.

Os comandados de Simone Inzaghi rodavam a bola em busca dos espaços e abusavam das finalizações. O ferrolho, que antes havia segurado o ímpeto dos donos da casa, já não era mais tão eficiente – permitindo um bombardeio de cruzamentos e chutes a gol.

O Shakhtar, enfim, conseguiu respirar um pouco e ameaçar a meta adversária. Em conta-ataque puxado aos 33, Trubin lançou para o campo de ataque e a bola chegou até Fernando – que dominou na quina da área e chutou colocado, com efeito, assustando Handanovic. Os ucranianos chegavam pouco, mas eram perigosos.

Aos 35, a Inter desperdiçou mais uma ótima oportunidade. Trubin errou na saída de bola e entregou de presente nos pés de Dzeko, na intermediária. Com o goleiro fora da meta, o centroavante tentou o chute de primeira e acabou pegando muito embaixo da redonda e mandou na arquibancada, arrancando suspiros dos torcedores.

Pedrinho finalizou da intermediária com perigo aos 40, assim como Lautaro girou para assustar Trubin aos 41. A reta final fugiu da pressão constante da Inter e migrou para o “lá e cá”. As chegadas dos visitantes tinham toques rápidos e triangulações com passes de primeira, enquanto os mandantes seguravam mais e buscavam pontos futuros.

No geral, a primeira etapa exibiu um ótimo futebol com propostas diferentes – apesar do teimoso 0 a 0. A pressão da Inter esbarrou na má pontaria, principalmente com o centroavante Dzeko; já o Shakhtar e seu jogo reativo demonstravam necessidade de mais consistência para aumentar o volume de contra-ataques – raros, mas bem trabalhados.

Segundo tempo

Os 45 minutos finais começaram com a disputa pela posse de bola mais concentrada na região central do campo. Não houve chances claras de gol nos primeiros 10 minutos – apenas um pedido de pênalti por parte de Lautaro Martínez, posteriormente negado pelo árbitro de vídeo. Assim como o jogador, a torcida também criticou bastante a decisão.

A Internazionale teve mais um gol anulado aos 12. Lautaro completou cruzamento de Perisic da esquerda para a rede e partiu para o abraço – mas o árbitro, em ação conjunta com o bandeirinha, identificou um empurrão de Dzeko sobre um defensor dentro da área pouco antes da finalização. Apesar da revolta, os dois tentos foram de fato irregulares.

O placar finalmente foi aberto aos 16. Após um bombardeio com Lautaro Martínez e Darmian, a bola sobrou para Dzeko na entrada da área. Ele soltou o pé direito e o chute passou por quatro defensores até estufar as redes do goleiro Trubin. Resultado justo, principalmente pelo segundo tempo – onde o Shakhtar praticamente não jogou.

Não demorou muito para os italianos ampliarem. Aos 21, após boa jogada de Perisic pela linha de fundo esquerda, um cruzamento perfeito no segundo pau, na cara do gol, à feição para o grandalhão apenas saltar e testar para dentro do gol. Festa barulhenta no Giuseppe Meazza. A Inter estava muito perto da classificação para o mata-mata da Liga.

O Shakhtar quase descontou aos 35. Após linda jogada trabalhada dentro da área, Marlos deixou um passe açucarado para o lateral-direito Dodô. Ele chegou estourando para o gol e carimbou o pé da trave. A bola ainda correu por toda a extensão do gol até sair caprichosamente do outro lado.

A Inter passou o restante da partida administrando a boa vantagem no placar. Com as linhas recuadas, a equipe italiana bloqueava os avanços dos ucranianos e buscava matar o jogo nos contra-ataques. Sem forças e com pouco tempo restante, o Shakhtar não foi capaz de reduzir o prejuízo, sendo matematicamente eliminado da competição.

Os donos da casa chegaram a 10 pontos, ultrapassando o Real Madrid, que tem apenas 9, mas ainda joga na rodada. O Sheriff, com seis pontos, em terceiro lugar, já tem a vaga na Europa League garantida – mas quer fazer historia e tentar roubar uma das duas vagas dos gigantes.