Lar temporário abriga crianças em situação de vulnerabilidade

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

A secretaria de Desenvolvimento Social de São Gonçalo atualmente abriga 13 crianças em lares temporários. O serviço funciona como uma medida protetiva, selecionando, capacitando, cadastrando e acompanhando as famílias que acolhem as crianças em suas casas por um período pré-determinado. A equipe multidisciplinar é formada por assistente social, psicólogas e educadores sociais, cujo objetivo é tornar novamente possível a convivência familiar e comunitária. Diferente do acolhimento institucional dos abrigos, as crianças convivem com a família todo tempo, interagindo com afeto na rotina, garantindo a segurança dos seus próprios direitos.

Foto: Lucas Alvarenga/PMSG

“Doar tempo é importante, precisamos cuidar das nossas crianças. Se nós não fizéssemos nada, onde ele estaria agora?”, afirmou o advogado Eliano Enzo, que acolhe uma criança de três anos, do serviço Família Acolhedora. Ele e a esposa participam do programa há dois anos. “Estamos em nosso segundo acolhimento e é um desafio. Não é uma situação como de um orfanato, onde a criança é deixada, e apesar de ser um período temporário, criamos vínculo, a família abraça e nós aprendemos juntos. Bom seria se todos fizessem parte desse projeto, que muda não só a vida dessas crianças, mas também de quem as acolhe”, concluiu.

Para o secretário de Desenvolvimento Social, Marlos Costa, o objetivo maior do serviço é possibilitar, dentro da garantia de direitos, o retorno dessas crianças para um lar onde elas poderão chamar de casa. “As famílias de origem dessas crianças em grande parte também se encontram em situação de violação de direitos. Por isso o serviço é tão importante, porque além de acolher a criança nós também acompanhamos essas famílias entendendo que cada caso é um caso e criando pontes para que todos possam acessar seus direitos. Nossa maior tarefa é que essas crianças retornem aos seus lares de origem”, garantiu o secretário.

Para fazer parte do programa, basta procurar a equipe do serviço Família Acolhedora na sede da secretaria, localizada na Rua Uriscina Vargas, 36, no Mutondo.