Por que Luca, novo filme da Disney, é uma metáfora LGBT?

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Luca é um monstro marinho que decide se aventurar em terra firme. Fonte: Divulgação

Apesar do furor inicial do mês do orgulho já ter passado, vale a pena lembrar que em junho ainda se comemora o mês do orgulho LGBTQI+, com diversas empresas fazendo campanhas em prol da festividade e lançando produtos temáticos. Apesar da Disney ter o status de uma empresa um tanto conservadora e não abordar o tema em suas obras, seu último lançamento, Luca, tem gerado grande identificação entre LGBT’s e o protagonista da animação.

O filme Luca se passa numa pequena cidade no litoral italiano, onde monstros marinhos vivem submersos. Entre essas misteriosas criaturas está Luca, que dá nome a animação, um garoto jovem e sonhador que deseja conhecer o mundo e não só ficar cuidando dos peixes de sua família. Depois de matar a sua curiosidade e ir para a superfície pela primeira vez, Luca acaba conhecendo Alberto, um monstro marinho disfarçado que vive na cidade há anos, e que decide lhe mostrar todos os encantos que existe em terra firme.

Mas afinal, o que monstros marinhos tem a ver com a comunidade LGBT? De primeira, nada! Mas a forma como a vida de Luca é representada no decorrer animação, com todos os dramas e a caminhada para autodescoberta e autoaceitação, se assemelha muito com a jornada de uma pessoa LGBT.

[Contém spoilers]

A primeira descoberta

Luca começa o filme trabalhando para sua família, cuidando da sua rotina e com medo do que há fora do oceano, uma vez que seus pais sempre falaram o quão perigosa é a vida externa, tornando-se um lugar extremamente proibido. Porém, mesmo assim, o sonhador monstro marinho sai da água, se transformando num novo ser, e apesar do medo inicial, Luca se entrega a esse novo mundo, se maravilhando pela liberdade que ele proporciona. Tal momento é visto como uma alegoria da “saída do armário”, em que há o medo desse “lugar proibido”, mas ainda assim, é algo natural pela sensação de pertencimento a esse novo espaço.

A preocupação e a censura da família

Ao descobrir que Luca constantemente saía para a superfície, a família do protagonista decide enviá-lo para morar com um tio, que vive nas profundezas do oceano, longe de qualquer sinal de terra, o que faz com que ele fuja de casa. Em identificação com esse momento, traz a triste realidade de muitos jovens que sofrem opressão dentro de sua própria casa pela sua sexualidade, sendo, muitas vezes, enviados para programas que prometem erroneamente “reverter” a orientação sexual da pessoa, ou qualquer outra medida que o afaste das novas descobertas.

A alegria e o medo do julgamento

Fora da água, o protagonista se junta a dois amigos, um deles também um monstro marinho que vivia secretamente na superfície, e se encanta cada vez mais por essa nova fase da sua vida, porém, em dado momento, quando é descoberto que Alberto, seu amigo, é uma criatura do mar, ao invés de se aliar a ele, Luca decide se afastar, por medo de ser caçado pelos demais cidadãos da cidade litorânea. A analogia aqui ocorre por medo da homofobia que, infelizmente, existe na sociedade e de como esse comportamento pode ser reproduzido até mesmo dentro da comunidade LGBT, que pode discriminar seus semelhantes por conta do julgamento externo.

Aceitação completa

Nos momentos finais do longa, Luca se reconcilia com seus amigos e família, aceitando-se como verdadeiramente é, um monstro marinho que quer viver na terra e aprender mais sobre o mundo, não ficando somente na sua “cidade de interior”. Tal momento faz com que sua avó, que diversas vezes o encobriu nas escapadas, solte uma frase cheia de significado para qualquer pessoa LGBT:

“Algumas pessoas nunca vão aceitar ele, mas outras pessoas vão. E parece que ele sabe encontrar as pessoas boas”.

Luca, Disney & Pixar

Apesar do filme não trazer nenhuma expressão do amor romântico, que realmente não é o foco da animação, ele traz todos os ingredientes acima, que inegavelmente se encaixam na vida de uma pessoa LGBT, sendo uma perfeita metáfora do assunto. Talvez, para as pessoas que não tenham vivido tais situações, esses elementos “passem batido”, mas somente quem vivenciou tudo isso consegue se identificar, mesmo que subliminarmente, com Luca.

Luca está disponível desde sexta-feira (18) no Disney+.

Jonny Sales é aficionado pelo mundo nerd, que acompanha, debate e vivencia, seja numa roda de amigos, ou em suas redes sociais.