PSG recusou a proposta bilionária por Mbappé. Mas por que ele queria sair?

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
PSG recusou proposta de mais de um bilhão por Mbappé. Foto: Reprodução/Redes Sociais

Mais uma negociação bombástica quase foi concluída nesta janela europeia de transferências. Depois de Cristiano Ronaldo no Manchester United, foi a vez de imaginarmos Kylian Mbappé assinando pelo Real Madrid – concretizando uma das maiores transferências da história do futebol.

No entanto, o clube francês fez jogo duro e acabou não liberando o astro. A frustração veio na deadline do mercado de transferências e jogou por terra o sonho dos merengues de voltarem a ter uma grande referência – posto vago desde a ida de CR7 à Juventus. E a negativa, para a surpresa de muitos, contrariou o desejo de Mbappé.

Após diversas semanas de negociação, o Paris Saint-Germain decidiu não ceder às vontades do atacante francês e recusou a proposta dos merengues. Igualando o valor pago para tirá-lo do Monaco, o Real ofereceu 180 milhões de euros (R$ 1,1 bilhão na cotação atual). A negociação foi comandada pelo brasileiro Leonardo, diretor esportivo do clube.

A fortuna colocada na mesa pela jovem estrela assumiria o segundo lugar entre as maiores custos de uma transferência no mundo da bola, perdendo apenas para a venda de Neymar, do Barcelona para o próprio PSG, pela bagatela de 222 milhões de euros. No entanto, pela cotação da época, o brasileiro custou “apenas” R$ 821 milhões.

PSG

O PSG tem sido o centro das atenções do futebol mundial nas últimas semanas. O clube investiu mais pesado do que nunca e contratou craques como Messi, Sergio Ramos, Hakimi, Wijnaldum e Donnarumma – além de oferecer uma pesada oferta de renovação para Mbappé.

Mas, contrariando as expectativas e até mesmo o senso comum, o jogador de 22 anos não parece empolgado com a possibilidade de formar o trio de ataque mais poderoso do planeta junto a Neymar e Lionel, rejeitando o novo contrato e indicando o desejo de sair.

Apesar de não ter deixado afirmado em nenhum momento, Mbappé tem uma série de bons motivos para querer deixar o Parc des Princes. Reservado e tímido, no entanto, ele não foi aos microfones e prefere tratar de seu futuro internamente.

Motivos

  1. Desejo pela Bola de Ouro – Tendo o objetivo claro de ser eleito o melhor jogador do mundo, Mbappé não vê com bons olhos a divisão de protagonismo com tantos outros craques. No Real Madrid, sem um grande nome desde a perda de Cristiano Ronaldo, ele pode assumir o posto de líder em um campeonato relevante e, atualmente, sem favoritos – já que Messi também deixou La Liga.
  2. Sonho de infância – Fã de Cristiano Ronaldo desde criança, Mbappé cresceu vendo o Real Madrid construir sua história de 13 títulos na Champions League. Em entrevistas recentes em publicações do Velho Continente, ele sempre deixou claro o seu sonho de infância de vestir a camisa do clube merengue. Diante do momento atual, ele não pensou duas vezes.
  3. Melhores amigos – Jogar futebol em alto nível é um privilégio para poucos. Realizá-lo junto de amigos, então, é o sonho de qualquer pessoa. Para Kylian, o cenário não é diferente. Karim Benzema, também atacante da Seleção Francesa, é contato pessoal do jogador – e, desde o início das negociações, tem sido um importante trunfo do Santiago Bernabéu para atraí-lo.
  4. Nível de exigência – Apesar de ser grato por tudo o que a Ligue 1 proporcionou à sua carreira, Mbappé admite que o campeonato francês não é um dos mais qualificados do mundo. Sendo assim, ele deseja dar um passo à frente e transferir-se para uma liga mais exigente e competitiva para evoluir ainda mais o seu jogo. Sua vontade era mudar-se para as ligas inglesa, espanhola ou até italiana.
  5. Gratidão ao PSG – O contrato de Mbappé junto ao Paris Saint-Germain acaba no fim da temporada 2021/22. O jogador gostaria de disputar uma temporada com a equipe galática montada pela diretoria do clube, mas acabaria saindo de graça ao fim do vínculo – algo mal visto por ele. Desta forma, Kylian enxerga a sua saída agora como um meio-termo, fazendo com que o PSG não saia de mãos abanando.

O brilho segue

Apesar de ter engolido o sapo em silêncio diante da recusa dos parisienses à proposta madrilenha, fontes europeias dizem que o jogador não está nada satisfeito e a sua relação com os dirigentes está completamente deteriorada. Aguardemos os próximos capítulos para conhecer o desfecho desta confusão.

Em campo, o jogador indica que não vai amarelar. Na abertura do campeonato francês, ele foi titular e marcou os dois gols da vitória do PSG, fora de casa, sobre o Reims. Para nós, amantes do bom futebol, é bom perceber que ele não deixará os problemas extra-campo apagarem sua magia dentro dos gramados.