Copa do Brasil: Quatro finalistas exemplificam o torneio mais democrático do país

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Copa do Brasil
Apenas quatro sobreviventes na luta pelo título da Copa do Brasil. Foto: Divulgação/CBF

Chegamos nas semifinais da Copa do Brasil. A competição mais democrática do país percorreu todo o árduo e longo caminho de norte a sul e chegou em sua penúltima fase com quatro sobreviventes – cada um à sua maneira.

Flamengo, Atlético-MG, Fortaleza e Athletico-PR. Dois representantes do sudeste, um do sul e outro do nordeste. Historias bem diferentes que afunilaram juntas e, agora, buscam o mesmo objetivo: o importante e valioso título nacional de mata-mata.

Athletico-PR

O Furacão pode ser considerado o time mais peculiar do país. Primeiro a adotar o gramado sintético e único a não fazer parte do pacote de transmissão da Série A, o Athletico se fechou para crescer. Ao mudar seu nome e sua identidade visual, a equipe paranaense se diferenciou bem mais do que apenas um “h” no nome.

É um clube com personalidade, às vezes polêmico, às vezes com ar soberbo, mas que cresce mais a cada ano, tornando-se competitivo à moda própria. Estrutura excelente, trabalho intenso e ótimo desenvolvimento das categorias de base são seus pilares. Estilo de jogo bem definido.

Com um presidente que conhece a casa desde 1995, foi um dos primeiros a tratar o clube como empresa, cortando gastos desnecessários, aumentando investimentos e alcançando lucros e êxitos financeiros e técnicos. Hoje, pode ser considerado time grande no Brasil. E vem por mais.

Fortaleza

O Leão é o futebol em sua essência. Um clube emergente que vem buscando na paixão pelo jogo bem jogado o seu crescimento. Depois de Rogério Ceni, Juan Pablo Vojvoda é quem nos encanta com um time aguerrido, dedicado e muito bem organizado. Investindo no coletivo, o argentino fez aflorar o individual de cada atleta.

Equipe tradicional no Brasil, o Fortaleza vem se firmando na Série A e começa a engatinhar em competições internacionais. Campeão da Série B em 2018 e da Copa do Nordeste em 2019, o Tricolor vem com fome para buscar seu primeiro título de expressão a nível nacional.

De todas as formas de jogo sobreviventes na Copa, a do Fortal é certamente a mais poética. Com um jogo voluntarioso, plástico e competitivo, deixou gigantes para trás, fez historia e não pode ser chamado de zebra em hipótese alguma. Até porque, o Leão do Pici não tem medo de ninguém.

Atlético-MG

O Galo é time de camisa pesada. Como vários gigantes do país, vinha fraquejando diante da crise financeira. No entanto, em uma reviravolta bancada por investidores fanáticos, o Alvinegro montou uma seleção em seu elenco – e agora precisa compensar toda a grana gasta em uma aposta de alto risco.

Afinal, embora seja resolvido exclusivamente dentro de campo, o futebol vem sofrendo cada vez mais influência do dinheiro. E, com o cofre cheio, apesar das dívidas, o Atlético reuniu nomes como Hulk, Diego Costa, Nacho Fernández, Guga, Arana, Junior Alonso, Eduardo Vargas, Zaracho, Savarino, Nathan, Allan, entre outros.

Para comandar essa galera, a escolha por Cuca foi perfeita. Ninguém conhece a glória melhor do que ele na Cidade do Galo. Com a conquista da Libertadores de 2013 ainda viva na alma e no coração, agora ele busca o bicampeonato na Copa do Brasil. O resultado a curto prazo, além de uma necessidade, também é uma obsessão.

Flamengo

O Urubu é o sobrevivente. Multicampeão em 2019, a equipe segue se reiventando para manter-se no topo do Brasil. E com sucesso, já que venceu o Brasileirão em 2020 e, neste ano, segue vivo em todas as frentes. Um time que se paga, faz valer o constante investimento e desponta como grande potência brasileira no cenário atual.

Como vinho, o Rubro-Negro melhora a cada dia, a cada mês, a cada ano que passa. Após a absurda passagem do Mister Jorge Jesus e a curta porém vitoriosa passagem de Rogério Ceni, é a vez de Renato Gaúcho ter o melhor início de um treinador na Gávea com resultados espetaculares.

Uma máquina de levantar taças. Foram 12 títulos em dois anos. Para o Flamengo, não está em jogo apenas o título da Copa do Brasil; mas, também, a possibilidade de levantá-la junto do Brasileirão e da Libertadores, superando o insuperável – realizado há dois anos.

As semifinais

Os rubro-negros se enfrentam de um lado enquanto o tricolor encara o alvinegro. Independente das cores, é difícil dar um palpite. A lógica aponta para uma decisão entre Flamengo e Atlético-MG – não só na Copa do Brasil, mas também nas outras duas principais frentes. Mas quem tem coragem de descartar Fortaleza e Athletico-PR?

A única certeza é de que veremos quatro grandes jogos, com duelos táticos interessantes e cada clube tentando eternizar as historias que contamos aqui. Embora sejam quatro trajetórias incríveis, apenas uma delas ficará com a nossa orelhudinha e, não menos importante, a premiação de R$ 56 milhões.