Esportes

Pérolas Negras x Maricá, pela final da Copa Rio, é interrompido e adiado devido a forte chuva

Imagem ilustrativa da imagem Pérolas Negras x Maricá, pela final da Copa Rio, é interrompido e adiado devido a forte chuva
Foto: Jhonathan Jeferson

Pérolas Negras e Maricá entraram em campo nesta quarta-feira (27), no Estádio do Trabalhador, em Resende, pelo jogo de ida da final da Copa Rio. O time da casa chegou a sair na frente, mas a partida foi interrompida pela chuva e acabou adiada para esta quinta-feira (28).

A partida

O jogo começou movimentado e teve chegadas perigosas dos dois lados antes dos cinco primeiros minutos. Debaixo de muita chuva, o Maricá ainda buscava adaptação ao gramado - de dimensões bem superiores às do Alzirão, em Itaboraí - para poder montar a melhor distribuição tática possível.

No entanto, antes que os visitantes se acomodassem, o Pérolas Negras abriu o placar. Aos 5, Andinho recebeu na entrada da área, avançou um pouco e soltou a bomba de canhota, sem chances para Arthur. Muita vibração da comissão técnica no banco de reservas com o grande início da equipe de Resende.

O Maricá quase empatou a partida aos 8 minutos. Magno foi acionado na lateral-direita e avançou à linha de fundo, cruzando para o meia Wálber. Sozinho na marca o pênalti, ele girou o corpo para finalizar de primeira - mas acabou bloqueado pelo defensor.

Aos 10, o Pérolas quase ampliou o placar. Em cobrança de falta da intermediária, Magrão soltou a bomba e obrigou o goleiro Arthur a fazer grande defesa. No rebote, Davi jogou a bola de volta para o meio da grande área, mas o passe foi muito alto e acabou ultrapassando o segundo pau, deixando a sobra para a zaga maricaense.

Com a chuva cada vez mais intensa, o campo foi ficando mais pesado e até criou algumas poças, atrapalhando o bom andamento da partida, apesar da boa drenagem do Estádio do Trabalhador. Com duas equipes técnicas e ofensivas, as principais peças encontravam dificuldade para jogar dentro de suas características.

Por volta dos 25 minutos, o gramado encharcou diante do verdadeiro dilúvio que caía em Resende. Ainda assim, a arbitragem optou por dar sequência ao confronto, ignorando a total falta de condições de jogo. Aos 27, após lance confuso dentro da área, a bola parou na poça e ficou à feição para a finalização de Davi, mas Arthur salvou novamente.

Gramado criou diversas poças grandes diante do dilúvio que caiu em Resende. Foto: Reprodução

Aos 30, o árbitro finalmente decidiu paralisar o duelo - preservando a integridade física dos atletas e aguardando a chuva cessar. Além disso, o gramado precisaria de um pouco de tempo para escoar e drenar a água que alagava o gramado praticamente inteiro.

A partida foi retomada cerca de uma hora depois. A chuva diminuiu bastante, mas o gramado continuava com muitas poças. Desta forma, o duelo ganhou outro contorno, já que a bola pouco rolava. As equipes buscavam outra abordagem, com bolas longas e altas, fugindo de seu estilo preferido.

Com muitas dificuldades, os dois times não conseguiram criar chances de perigo até o intervalo da partida. Com o gol sofrido no início da partida, quando a chuva ainda não era tão intensa, o Maricá precisaria de uma estratégia especial para evitar a derrota na segunda etapa.

Adiamento

Durante o intervalo, no entanto, a equipe de arbitragem optou pelo adiamento da partida devido à falta de condições do gramado. Sendo assim, o restante do confronto, ou seja, o segundo tempo do jogo, foi confirmado para esta quinta-feira (28), às 14h.

https://twitter.com/FFERJ/status/1453452427030581265

No entanto, de acordo com o regulamento da FERJ, toda partida encerrada sem motivo ocasionado pelos clubes envolvidos antes de começar a segunda etapa deve recomeçar do 0 a 0. Desta forma, é possível que haja desdobramentos posteriores em reivindicação das regras oficiais do campeonato.

< Mais de R$ 80 mil em prejuízo após apreensão na RJ-116 Governo do estado do Rio quer unificar as universidades UERJ e UEZO <