Ex-presidente do COB é condenado a 30 anos de prisão por fraudes na Rio 2016

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Nuzman foi presidente do COB por mais de duas décadas. Foto: divulgação/COB

O ex-presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman, foi condenado na noite desta quinta-feira (25) a 30 anos de prisão por fraude na escolha das Olimpíadas do Rio 2016.

Na sentença, o juiz da 7ª Vara Criminal do Rio, Marcelo Brêtas, condenou Nuzman por lavagem de dinheiro, corrupção passiva, organização criminosa e evasão de divisas. O ex-presidente ainda pode recorrer da decisão em liberdade. A condenação foi em cima da operação Unfair Play, sobre compra de votos na escolha do Rio como sede das Olímpiadas em 2016.

Carlos Arthur Nuzman foi presidente da entidade por mais de duas décadas e acabou preso, em 2017, pela Polícia Federal em seu apartamento, no Leblon, na Zona Sul do Rio. O esquema envolvia a compra de votos de integrantes do Cômite Olímpico Internacional (COI).

Cabral

O ex-governador do Rio, Sérgio Cabral, também foi condenado, na mesma decisão, a dez anos e oito meses de prisão por corrupção passiva. Ele era o chefe do executivo à época dos jogos. Ele está preso desde 2016 e já acumula mais de 400 anos de condenação.