Tristeza!

Em busca de recomeço, gonçalense vítima da chuva lamenta ‘perdi tudo'

O bairro Jardim Catarina foi um dos mais afetados

Casas foram tomadas pelas águas
Casas foram tomadas pelas águas |  Foto: Marcelo Tavares
  

As fortes chuvas que atingiram o Estado do Rio neste sábado (30) causaram diversos estragos em cidades da Região Metropolitana. São Gonçalo foi um dos municípios mais castigados e o bairro Jardim Catarina foi um dos mais afetados. A equipe de reportagem do Enfoco esteve no local na manhã deste domingo (1º) e acompanhou o drama das famílias que perderam tudo com o alagamento.

De acordo com a Prefeitura de São Gonçalo, apenas na Escola Municipal Aida Vieira, no Jardim Catarina, estão alojadas 28 pessoas, sendo 22 adultos e seis crianças.

Leia+: Chuva provoca caos na Região Metropolitana do Rio e deixa um morto em SG

Um dos alojados, Marcos Paulo de 49 anos, contou que sua família foi resgatada de barco por outros moradores na noite deste sábado (30).

"Perdemos tudo, saímos de barco ontem a noite, não sobrou nada. Gostaríamos de está em casa, nos divertindo nesse domingo, mas estamos passamos por essa situação e não é a primeia vez que isso acontece", relatou.

Marcos estava com as duas netas no abrigo, a mais nova de apenas 10 meses. Segundo ele, a única coisa que conseguiram salvar foi a roupa do corpo.
  

"Estou desempregado, eles [assistentes sociais] falaram que vão ajudar a gente, não sei como vai ser", finalizou.

O Jardim Catarina ficou debaixo d´água durante todo sábado (30). Alguns moradores nadaram em um campo de futebol para conseguir realizar a travessia, enquanto outros só saíram das casas de barco. Os moradores relataram que em alguns momentos a água passou de 1,80 metros.

  

Outro que ficou desabrigado foi o jovem de 20 anos Yuri Matos.

"A roupa que estou é de doação, ainda nem voltei na minha casa, não sei o que da pra salvar, mas se de pra salvar o fogão e o gás é muito. Quando eu acordei ontem de manhã (30) meu celular estava embaixo d´água, não consegui salvar, fui pra casa do meu irmão, mas também estava cheia. A água quando eu sai já estava na cintura", comentou.

No local onde os moradores foram resgatados foi flagrado na manhã deste domingo (1ª) um jacaré.

"Olha o risco que a gente também corre em enchetes. Só Deus pra nos salvar", comentou o morador Marcelo Paschoal.

Veja o vídeo:

  

Quem também teve a casa invadida pela água foi a aposentada Lúcia Maria, 68 anos. Veja como ficou a casa nas fotos abaixo:

  • Água tomou conta da casa
    Água tomou conta da casa
  • Móveis foram perdidos
    Móveis foram perdidos
  • Chuva provocou alagamento
    Chuva provocou alagamento
  • Casa alagada
    Casa alagada
  

A casa da Lúcia tem dois andares, o primeiro ficou intransitável, a marca da água ainda estava na parede, a casa estava repleta de lama, e os móveis que restaram estavam inutilizáveis.

"Já perdi muita coisa, moro aqui há mais de 10 anos. Eu moro sozinha e com Deus, toda vez que chove minha cabeça frita, com medo" Lúcia Maria,
 

A moradora relatou ainda que a casa está condenada pela Defesa Civil de São Gonçalo desde 2015 e que até agora a prefeitura não a ofereceu nenhum suporte.

"Eu tenho a papelada toda, já fiz todos os trâmites, mas eles não me dão uma casa e nem um aluguel social, eu não tenho para aonde ir", lamentou

Autoridades

O Secretário Estadual de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos, Julio Saraiva, visitou a Escola Municipal Aida Vieira que servia de abrigo no Jardim Catarina.

De acordo com o secretário nesta segunda-feira (2) as famílias já irão voltar para suas casa, e a prefeitura irá realizar uma ação de limpeza nas casas.

"O papel do estado é prestar apoio a prefeitura se solicitado, hoje (1º) estamos visitando os locais mais atingidos. Nesse primeiro momento estou aqui presente para prestar apoio, após o cadastro das pessoas que necessitam de apoio que iremos saber se a prefeitura precisará de algum auxílio no quesito de aluguel social, mantimentos, ou no que foir necessário", informou.

O chefe de gabinite da Secretaria de Assistência Social de São Gonçalo, Mauro Faustino, também esteve presente e comentou sobre ação da prefeitura.

"Nesta segunda (2) iremos fornecer quite de limpeza para a população, além de almoço e cesta básica. Depois iremos avaliar o que será feito", comentou.

Quem participou de toda ação de resgate de moradores de barco e também estava na escola foi o vereador Juan Oliveira (PL). 

Procurada, a Prefeitura de São Gonçalo informou que abriu mais dois pontos de apoio para prestar auxílio aos moradores de áreas afetadas pela forte chuva que caiu sobre o município. De forma preventiva, agora, além dos três pontos de apoio abertos, nos bairros do Jardim Catarina, na Escola Municipal Aida Vieira; no Salgueiro, na Quadra do Salgueiro, na Rua Capitão Antônio Franklin; na Palmeiras, na Escola Municipal Marcílio Dias, a cidade conta com o ponto na Escola Municipal Belarmino Ricardo Siqueira, no Luiz Caçador; e na Escola Municipal Deputado José Carlos Brandão Monteiro, no bairro Novo México.

Na Escola Municipal Aida Vieira, no Jardim Catarina, estão alojadas 28 pessoas, sendo 22 adultos e seis crianças
Na Escola Municipal Aida Vieira, no Jardim Catarina, estão alojadas 28 pessoas, sendo 22 adultos e seis crianças |  Foto: Marcelo Tavares
  

Na Quadra do Salgueiro, cinco famílias foram temporariamente alojadas. O local abriga 34 pessoas, sendo 18 adultos e 16 crianças; na Escola Municipal Aida Vieira, no Jardim Catarina, estão alojadas 28 pessoas, sendo 22 adultos e seis crianças; na Escola Municipal Marcílio Dias, na Marinha, são 13 pessoas, sendo oito adultos e cinco crianças; na Escola Municipal Belarmino Ricardo Siqueira, no Luiz Caçador, foram abrigadas 15 pessoas, sendo oito adultos e sete crianças; e na Escola Municipal Deputado José Carlos Brandão Monteiro, no Novo México, foram abrigadas nove pessoas, sendo quatro adultos e cinco crianças. Equipes da Secretaria de Assistência Social estão atendendo as famílias, que recebem refeições, doações de roupas e kits de higiene pessoal.

A cidade entrou em estágio de atenção e a Subsecretaria de Defesa Civil de São Gonçalo segue com serviço de monitoramento. Os bairros mais afetados pelo acúmulo de água foram Trindade, Porto Velho, Barro Vermelho, Jardim Catarina, Sacramento, Pita, Engenho Pequeno, Zumbi e Vista Alegre.

A população pode solicitar auxílio através do aplicativo Colab ou pelo telefone da Defesa Civil (21) 98737-0807.
  

Confira os endereços dos pontos de apoio:

Assitência Social de SG atende vítimas das chuvas
Assitência Social de SG atende vítimas das chuvas |  Foto: Marcelo Tavares
  
  • - Escola Municipal Aida Vieira, Avenida Santa Catarina, no Jardim Catarina;
  • - Quadra do Salgueiro, Complexo do Salgueiro;
  • - Escola Municipal Marcílio Dias, Estrada das Palmeiras, em Itaúna;
  • - Escola Municipal Belarmino Ricardo Siqueira, Rua Evaristo da Veiga, no Luiz Caçador;
  • - Escola Municipal Deputado José Carlos Brandão Monteiro, Rua Carlos Walter Hisserich, no bairro Novo México.

A respeito da casa da aposentada Lúcia Maria, a Prefeitura ainda não respondeu.

De acordo com o governo do estado do Rio desde a noite de sexta-feira (29), o Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ) já atuou em mais de 215 ocorrências relacionadas às chuvas em todo o Estado. Foram 46 salvamentos de pessoas; 81 cortes de árvores; 28 deslizamentos/ desabamentos e 64 alagamentos/ inundação. 

Na capital fluminense, o Corpo de Bombeiros foi acionado para 11 salvamentos de pessoas; 13 cortes de árvores; 11 deslizamentos/ desabamentos e 36 alagamentos/ inundação.

Imagens pós chuvas no Jardim Catarina

  • Em busca de recomeço, gonçalense vítima da chuva lamenta ‘perdi tudo'
  • Campo cheio de água
    Campo cheio de água
  • Campo de Futebol ficou completamente alagado
    Campo de Futebol ficou completamente alagado
  • Jardim Catarina foi um dos bairros mais afetadas
    Jardim Catarina foi um dos bairros mais afetadas
  • Marca de água na parede das casas
    Marca de água na parede das casas
 
< Após curtir Sapucaí, Jorge Jesus vai a estádio e recebe carinho de torcedores Em busca de recomeço, gonçalense vítima da chuva lamenta ‘perdi tudo' <