Cidades

Maricá vira parada obrigatória para quem busca combustível mais barato

Imagem ilustrativa da imagem Maricá vira parada obrigatória para quem busca combustível mais barato
Otimismo debaixa nos preços dos combustíveis em agosto. Foto: Marcelo Tavares

A cidade de Maricá além de ser mais econômica para os motoristas que moram no local e precisam abastecer diariamente, agora também se tornou 'parada obrigatória' para veículos de fora que utilizam as vias da cidade e querem economizar no valor gasto pelo combustível.

Segundo a Agência Nacional de Petróleo e Gás (ANP), o preço médio da gasolina comum na cidade (R$6,201) é menor que os valores praticados em São Gonçalo (R$6,265) e Niterói (R$6,301), líder de combusível mais caro entre os três municípios .

Em Maricá, a variação de preços da gasolina entre postos chega a 10%. Quando se trata do etanol, a diferença é um pouco maior e atinge 16,32%, o contraste entre os valores é de R$0,80 (oitenta centavos).

Para motoristas, o jeito de economizar segue sendo pesquisar locais em que os combustíveis sejam vendidos a menor custo para encher o tanque. Postos localizados no trajeto também estão na preferência, outra forma de controlar gastos.

É o que faz o Matheus Esteves, que utiliza quase diariamente as vias de Maricá para chegar ao seu destino. Desta vez, para se deslocar até Rio Bonito, o consumidor optou por abastecer em São José do Imbassaí, já que o preço estava em conta e a qualidade do combustível é alta.

“Os combustíveis estão com preço muito elevado, em vista que o álcool, há pouco tempo atrás, era por volta de R$3 e hoje já está R$4,80. Estou achando os preços muito abusivos, por isso, sempre procuro postos que estão mais em conta, hoje passei por aqui e abasteci. Priorizo caminho e valor para escolher o posto”

Além do preço e boa localização, o motorista também está de olho no atendimento dos frentistas e outros serviços relacionados a promoções para abastecer no local. No posto escolhido por Matheus, o carro do motorista ganha uma ducha ao abastecer 35 litros ou mais.

De acordo com o economista Ruy Santacruz, da Universidade Federal Fluminense (UFF), o problema com a alta dos combustíveis se deu, principalmente, por conta da pandemia, que fez com que a procura pela compra de petróleo e seus derivados caíssem drasticamente, já que o isolamento social se tornou realidade em todo o mundo.

Por consequência da queda de vendas, o preço despencou e a produção diminuiu para atender a demanda. Com a chegada das vacinas e a retomada das atividades em diversos países, a procura aumentou de maneira que a quantidade produzida não era o suficiente, fazendo os preços dispararem. Desde então, o Brasil tem sofrido com os altos valores dos combustíveis.

“Paralelamente no Brasil, a taxa de câmbio deu uma desvalorizada muito grande, em 2020 estava a R$4, em 2021 chegou a quase R$6. Somando a taxa de câmbio com a alta dos preços do petróleo, os combustíveis subiram mesmo de preço. Até a segunda semana de julho, o petróleo subiu 21% no Brasil”

Preços podem cair em agosto

Posto Imbassaí
Motoristas também estão de olho na localização dos postos de combstíveis. Foto: Marcelo Tavares

Ainda segundo o especialista, os preços devem apresentar queda durante este segundo semestre devido a um acordo feito pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) para aumentar a produção dos valores da matéria-prima. Outro fator favorável é o comportamento da taxa de câmbio, que atualmente deu uma recuada no valor está por volta de R$5 e R$5,10. 

< Centro comercial do Barroco badalado com bikes vermelhinhas em Maricá Preso com arma falsa após assalto a ônibus em São Gonçalo <