Carnaval

Milhares de foliões botaram o bloco na rua durante todo o feriadão

Em todo o estado mais cem blocos foram desmobilizados

 

Apesar do carnaval de rua ter sido oficialmente cancelado em estados onde a folia é tradicional, blocos não deixaram de sair e de atrair milhares de foliões. Diante das multidões, prefeituras optaram por ações de conscientização em muitos dos cortejos. Os eventos privados também foram alvos de ações. Os balanços oficiais, feitos nesta Quarta-Feira de Cinzas (2), incluem vistorias, interdições e cancelamentos de eventos não autorizados. 

No Rio, foram autorizadas, pela prefeitura, apenas festas privadas, com apresentação obrigatória do passaporte vacinal. No entanto, blocos de carnaval tomaram as ruas da capital fluminense. 

Em nota, a Secretaria de Ordem Pública e a Guarda Municipal informaram que foram desmobilizados 12 blocos clandestinos, sendo três no sábado (26), cinco no domingo (27), três na segunda-feira (28) e um nesta terça-feira (1º). 

Em todo o estado, durante os quatro dias, foram cancelados 106 eventos não autorizados, segundo o governo estadual. O planejamento especial da Secretaria de Estado de Polícia Militar para o feriado prolongado de Carnaval se estende até a próxima segunda-feira (6).

Salvador

Na capital bahiana, o período do carnaval deste ano foi, na avaliação do prefeito Bruno Reis, 'até mais tranquilo do que o do ano passado'.

De acordo com Reis, as ocorrências foram pontuais e, mesmo com grande parte da população com a imunização contra a Covid- 19 completa, não houve tantas aglomerações quanto no ano passado, quando a vacinação estava em estágio inicial em todo o país. 

O carnaval de rua na capital da Bahia foi cancelado em janeiro. Nas redes sociais, a prefeitura faz uma contagem regressiva para o reencontro, no carnaval de 2023. 

Em nota, a prefeitura de Salvador informou que, durante o período no qual aconteceria o carnaval, não houve nenhuma denúncia de blocos clandestinos nos trechos Barra/Ondina, Campo Grande/Praça Castro Alves e Pelourinho, regiões famosas pelos festejos carnavalescos.

Uma força-tarefa com órgãos municipais e apoio da Polícia Militar está na rua desde a última quarta-feira (23) para conscientizar os cidadãos a evitar aglomerações nas ruas, coibir o comércio não regulamentado e a poluição sonora, além de verificar o cumprimento dos protocolos sanitários de enfrentamento à covid-19 nos estabelecimentos comerciais.

Belo Horizonte

Na capital mineira, a prefeitura optou por não apoiar financeiramente o carnaval deste ano, nem realizar o cadastro de blocos ou investir em infraestrutura. Apesar disso, o Executivo municipal liberou as manifestações espontâneas. A Superintendência de Limpeza Urbana informa que os garis recolheram 100 toneladas de resíduos durante os quatro dias.

Durante o período, foram realizadas cerca de mil vistorias, autuações e a checagem de denúncias feitas por moradores e do cumprimento dos protocolos sanitários durante os eventos autorizados na cidade. Foram interditados três estabelecimentos, localizados na Pampulha, por realizar evento sem licença e por poluição sonora.

O não uso da máscara foi a maior irregularidade verificada, seguida pela indisponibilidade de álcool em gel nos pontos estratégicos. A maior parte das ações fiscais gerou advertência. Não houve aplicação de multa nem apreensões. 

< Moeda americana cai e fecha em R$ 5,10 após Carnaval Confira o cronograma de licenciamento anual de veículos de 2022 <