Cidades

Pacientes denunciam falta de médicos no Mario Monteiro

Leitor registrou a ausência defuncionários na unidade

Pacientes da Unidade de Pronto Atendimento Mário Monteiro, em Piratininga, Região Oceânica de Niterói, denunciam a falta de médicos aos finais de semana. 

O último caso aconteceu neste último, quando no sábado (17) um rapaz que procurava por atendimento alegou ter ficado ao menos duas horas aguardando.

Durante o tempo em que ele aguardava por um clínico, decidiu registrar em vídeo sobre a atual situação da unidade: um local vazio e com ausência no quadro de funcionários.

“Estou há maior tempão aqui na emergência. Não tem quase ninguém, são três pessoas [pacientes] e comigo quatro, mas ninguém atende. Nunca vi isso”, dizia o paciente indignado, durante a gravação.

Segundo o paciente, a justificativa do funcionário da unidade foi de que “o único médico da UPA tinha sofrido um acidente, não podendo comparecer ao plantão”.  

Outros pacientes também reclamam do atendimento no hospital. O autônomo George Guimarães, de 22 anos, morador do bairro Engenho do Mato, disse que esteve no local há duas semanas e constatou de perto o cenário crítico da unidade. 

Ele explica que estava acompanhado da sogra, no último dia 5 — que na ocasião, buscava ser atendida por um clínico geral. No entanto, segundo o jovem, por conta da falta de profissionais na casa de saúde, eles tiveram que procurar um outro hospital.

“Nós nem esperamos, porque assim que chegamos lá, já recebemos a notícia de que não havia clínico. Eu acho que deveria acontecer uma mudança na administração da unidade porque a situação está precária. Cada hora é uma desculpa diferente para encobrir a falta de médicos”, lamentou. 

Outros casos

Através das redes sociais, pessoas que já precisaram de atendimento no hospital também disseram ter passado por situações semelhantes há poucos dias.

Também no último sábado (17), uma mulher que precisou levar o filho na emergência da UPA Mário Monteiro, relatou que não havia pediatra no local.

“Eu fui informada que somente amanhã [domingo] na parte da noite o médico estará atendendo. Então as crianças que estão doentes, aos pais que estão pretendendo levar os seus filhos para a unidade hoje ou amanhã cedo, favor aguardar ou seguir para o Getulinho”, relatou.

Uma outra leitora denuncia a precariedade da unidade:

“A situação lá é precária! Minha tia precisou de atendimento, uma idosa de 77 anos e falaram que não havia médico e que mesmo que ele estivesse lá, não poderia atendê-la, pois não era sua especialidade. Descaso total com a população”. 

Procurada, a Fundação Municipal de Saúde de Niterói ainda não se manifestou sobre a situação do local.

< Judô brasileiro é promessa de medalha no Parapan-Americano Mostra em homenagem a mulheres já atraiu mais de mil pessoas em SG <