Sinais de recuperação no mercado financeiro

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
bolsa de valores, mercado financeiro, ações, aplicações, divulgação
Mercado financeiro ensaia recuperação. Foto: Divulgação

Chegamos ao meio do mês de setembro com algumas dúvidas e outras certezas. A percepção que tenho em relação ao Covid-19 hoje ao analisar o mercado financeiro e o dia a dia é que apesar do número de infectados seguir crescente, o número de recuperados cresce em igual ou maior proporção, além dos avanços de medicina e uma vacina aparentemente cada vez mais próxima, trouxe boa parte dos ativos a preços próximos aos patamares pré-pandemia.

A expectativa para uma vacina sem dúvidas trará o mercado a patamares ainda maiores, porem hoje não é esse o principal motivo da volatilidade, existem alguns fatos macroeconômicos que tem feito preço, tanto no cenário internacional como no Brasil.

Na Zona do Euro, China e EUA, os PMIs (Índice de Atividade dos Gerentes de Compras Industrial) seguem em uma direção de continuidade de recuperação e a atividade global continua se recuperando, impulsionada principalmente pelos setores industriais e varejo.

As tensões sociais e políticas nos EUA e conflitos com a China, trazem um pouco de insegurança para o investidor, além do questionamento de quem será o próximo presidente americano, lembrando que em novembro teremos as eleições presidenciais e o mercado já analisa todos os candidatos. O Fed, Banco central americano se reúne para decidir sobre os estímulos a economia.

A produção industrial chinesa apresentou com crescimento de 5,6% em agosto ante o mesmo período do ano passado, patamar acima dos 5,2% de alta que os economistas previam, refletindo que o país continua crescendo acima do esperado, mesmo com os efeitos do coronavírus.

Nacional

No Brasil, o mercado segue observando o ambiente político entre o governo, congresso e judiciário, com algumas reformas na agenda, como a tributária e a administrativa, além da reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central para decidir se mantém ou não a taxa SELIC em 2% a.a. A expectativa é a de que ela se mantenha estável, sem alteração.

O IBGE divulgou o resultado do PIB no segundo trimestre, com um recuo de 9,7% em comparação ao primeiro trimestre de 2020, já a produção industrial cresceu 8%, bem acima da mediana das expectativas de mercado (5,9%), demonstrando uma recuperação depois da forte queda de março e abril.

O Ibovespa, do início do mês até o fechamento deste dia 15, operou entre os 102k e 98k pontos, com bastante volatilidade, mas sem muita direção, já o dólar seguiu uma tendência mais definida e acumula desvalorização de quase 3% no período. Alguns setores tiveram um maior destaque como as companhias aéreas (AZUL4, GOLL4) onde acumulam altas de quase 20% e no setor de commodities, que também tiveram altas relevantes.

Para as próximas semanas, a perspectiva é de que os dados econômicos globais sigam surpreendendo positivamente, onde a recuperação mostre um viés altista e perene e o avanço na elaboração da vacina deixe os investidores com maior apetite ao risco, porem existem riscos que devem ser levado em consideração como a retomada da Guerra Comercial, eleições nos EUA e um possível atraso no andamento da agenda de reformas no Brasil, assim como uma nova onda de contaminação e ineficiência no avanço da vacina.

Gabriel Magalhães é formado em Administração pela IBMEC e especializações em Negócios no Brasil e no Exterior, ele fala das tendências no mercado financeiro e os altos e baixos da economia.