Entretenimento

Um mês sem Marília: amigos e fãs relembram morte

Imagem ilustrativa da imagem Um mês sem Marília: amigos e fãs relembram morte
Foto: Redes Sociais

Amigos e fãs da cantora Marília Mendonça prestaram homenagens à artista e relembraram sua morte há exatamente um mês completados neste domingo (5), depois que o avião que transportava a sertaneja e mais cinco pessoas caiu em uma cachoeira no município de Piedade de Caratinga, no interior de Minas Gerais.

Amiga pessoal, a cantora Maraisa, da dupla com Maiara, realizou uma publicação em sua conta do Twitter relembrando uma mensagem que havia recebido de Marília.

Maiara publicou um print de uma conversa que teve com amiga em um aplicativo de mensagens em que Marília falava sobre lançamento do projeto "Patroas" em que o trio iria sair em turnê no próximo ano.

O Cantor Murilo Huff, que é pai do filho de Marília Mendonça, o pequeno Léo, de dois anos, compartilhou em seu Instagram o vídeo de um show que foi realizado na noite deste sábado (4), no Tocantins. Nas imagens, ele canta a música "De quem é culpa?" e escreveu na legenda: "Minha preferida dela".

https://twitter.com/Maraisa/status/1467439962496901123

Fãs

As homenagens se estenderam nas redes sociais na manhã deste domingo (5), para relembrar a rainha da sofrência. Muitos escreveram sobre saudade e disseram ainda não acreditar na partida tão precoce da cantora.

Investigações

O acidente aconteceu no último dia 5 de novembro, em Piedade de Caratinga, na Região do Vale do Rio Doce de Minas Gerais. O piloto, Geraldo Medeiros, o copiloto, Tarciso Viana, o produtor Henrique Ribeiro, e o tio e assessor de cantora, Abicieli Silveira Dias Filho, também morreram.

No último dia 25, o delegado Ivan Lopes Sales da Polícia Civil de Minas Gerais e responsável pelas investigações, disse que já foi descartado pela perícia a possibilidade do piloto e do co-piloto terem alguma doença pré-existente. O delegado disse também que as investigações agora avançam com a oitiva de um piloto que estava há 20 minutos atrás da aeronave que se acidentou.

Segundo o delegado, a testemunha, que chegou a conversar com a vítima que comandava o avião, não ouviu qualquer relato sobre problema vindo da aeronave onde estava a cantora. Após ouvir o piloto, a polícia calculou por estimativa que a aeronave estava a apenas um minuto do pouso, quando teria se chocado com a rede de transmissão da Cemig e caído. O delegado disse, no entanto, que esta hipótese ainda não foi comprovada pela perícia.

Cemig

A Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), disse e nota que "Nenhum representante da Companhia foi chamado para prestar depoimento e que as torres de distribuição da Cemig seguem rigorosamente as Normas Técnicas Brasileiras e a regulamentação em vigor.

Confira a nota na íntegra enviada pela empresa logo após o acidente.

A sinalização por meio de esferas na cor laranja é exigida para torres em situações específicas, entre elas estar dentro de uma zona de proteção de aeródromos, o que não é o caso da torre que teve seu cabo atingido.
A Cemig informa ainda que os obstáculos que constam no NOTAM não se referem à torre de distribuição que teve o cabo atingido. Um desses obstáculos é de outra torre que pertence à Cemig e que consta com esferas de sinalização na cor laranja, por estar dentro da zona de proteção do Aeródromo, conforme Normas Técnicas Brasileiras e a regulamentação em vigor. As investigações das autoridades competentes irão esclarecer as causas do acidente. A Companhia mais uma vez lamenta esse trágico acidente e se solidariza com parentes e amigos das vítimas.

< Concurso para Polícia Civil do Rio tem provas neste domingo Skatista alemã rouba a cena, supera favoritas brasileiras e é campeã no STU Open Rio <