Entretenimento

Vídeo íntimo de Natália do BBB 22 vaza e equipe tomará providências

Imagem ilustrativa da imagem Vídeo íntimo de Natália do BBB 22 vaza e equipe tomará providências
A equipe da modelo disse que tomará providências. Foto: Rede Social

Inacreditável! Enquanto a disputa pela imunidade rolava no BBB 22, aqui fora, a equipe de Natália travava uma briga com um compartilhamento de vídeo íntimo da modelo.

As imagens viralizaram e esse babado vai dar em processo judicial, que será movido pela equipe que está tomando conta das redes sociais da sister.

"Já temos conhecimento do vídeo que está circulando! Tomaremos as providências cabíveis! Continuem mandando os prints. Manda tudo!"

O vídeo começou a circular na noite desta terça-feira (18), e nas imagens Natália aparece praticando sexo oral em um homem. A equipe da mineira reforçou que o compartilhamento do conteúdo é desrespeitoso com a participante e sua família.

https://twitter.com/oficial_deodato/status/1483647715229814785?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1483647715229814785%7Ctwgr%5E%7Ctwcon%5Es1_&ref_url=https%3A%2F%2Fwww.ofuxico.com.br%2Freality-show%2Fbbb%2Fbbb22-vaza-video-intimo-de-natalia-e-equipe-da-sister-tomara-providencias%2F
Equipe de Natália se manifesta. Reprodução: Rede Social.

Crime

Divulgar cena de sexo ou pornografia sem consentimento da vítima é crime, de acordo com a lei nº 13.718, de 24 de setembro de 2018, passível de pena de reclusão de 1 a 5 anos, se o fato não constitui crime mais grave.

De acordo com o Art. 218-C, "oferecer, trocar, disponibilizar, transmitir, vender ou expor à venda, distribuir, publicar ou divulgar, por qualquer meio – inclusive por meio de comunicação de massa ou sistema de informática ou telemática -, fotografia, vídeo ou outro registro audiovisual que contenha cena de estupro ou de estupro de vulnerável ou que faça apologia ou induza a sua prática, ou, sem o consentimento da vítima, cena de sexo, nudez ou pornografia"

< Flamengo mira Everton Cebolinha como possível substituto de Michael Atacante Robinho é condenado em última instância a nove anos de prisão por estupro <