Cidades

Muros construídos irregularmente são destruídos em rua de Itaipuaçu, em Maricá

Imagem ilustrativa da imagem Muros construídos irregularmente são destruídos em rua de Itaipuaçu, em Maricá
Proprietário de um sítio no Barroco bloqueou uma rua com muro e portão, impedindo a passagem das pessoas. Foto: Ascom Maricá

Muros construídos irregularmente na Rua Nossa Senhora do Carmo (antiga Rua 19), na localidade Barroco, em Itaipuaçu, foram demolidos nesta quarta-feira (27) pela Prefeitura de Maricá . O proprietário de um sítio bloqueou a rua com muros e portão, impedindo a passagem das pessoas.

Ao lado do muro, uma placa do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) indica uma Área de Proteção Ambiental (APA), que foi ignorada pelo infrator ao fazer a construção e estava escondida atrás do muro.

A fiscalização também encontrou uma ponte sobre o rio Itaocaia, que dava acesso a residência, erguida ilegalmente. O infrator foi notificado para retirar a estrutura em até 10 dias, caso contrário será multado e a prefeitura irá destruir a passagem ilegal.

A operação coordenada pela Secretaria de Urbanismo contou apoio das pastas de Cidade Sustentável e Ordem Pública, policiais do Programa Estadual de Integração na Segurança (Proeis), agentes da Guarda Municipal e do Instituto Estadual do Ambiente (INEA).

“A ação de hoje contou com forte efetivo para solucionar o problema de um local onde estava uma edificação em área pública. Nenhuma construção pode ser executada sem a devida autorização. Isso pode gerar graves problemas ambientais e infringe a legislação municipal”, destacou o secretário de Urbanismo, Celso Cabral.

As denúncias sobre construções irregulares podem ser feitas, de forma anônima, à Secretaria de Urbanismo pelo telefone (21) 3731-9777 ou pelo e-mail [email protected] (distritos Centro e Ponta Negra). O canal para os moradores de Itaipuaçu e Inoã é o aplicativo WhatsApp (21) 97259-9213 ou para o e-mail itaipuacufiscalizaca[email protected]

< Maricá poderá ter abastecimento de água ampliado a partir de novembro Caso Maurício Souza: quando o ódio usa o conservadorismo como escudo <