Cidades

Auxílio para MEIs de Niterói foi interrompido em julho. Entenda

Imagem ilustrativa da imagem Auxílio para MEIs de Niterói foi interrompido em julho. Entenda
Apenas programas como Renda Básica Temporária e Busca Ativa foram prorrogados até setembro. Foto: Arquivo

Em Niterói, os Microempreendedores Individuais (MEIs) cadastrados para receber o auxílio emergencial de R$500 ficaram contando, nesta segunda-feira (16), com o depósito - que não aconteceu. Isso ocorre porque a última parcela foi paga no dia 15 de julho, após cerca de 15 meses de investimentos, conforme divulgado pela Prefeitura.

A prorrogação, até setembro, foi apenas para benefícios emergenciais como Renda Básica Temporária e Busca Ativa, com mensagem do prefeito Axel Grael (PDT) aprovada por vereadores.

Com a prorrogação do Renda Básica Temporária por mais dois meses, as famílias inscritas no CadÚnico recebem R$ 500 mensais, em agosto e setembro.

Já as famílias que não estão inscritas no CadÚnico, mas têm filhos matriculados na rede municipal de ensino terão mais uma parcela de R$ 500 neste mês de agosto e, a partir de setembro, passam a receber cesta básica até dezembro, quando acontece o fim do ano letivo.

Beneficiários do programa Busca Ativa também tiveram o auxílio prorrogado dentro do mesmo período. Esse programa é destinado a grupos de pessoas que exercem atividades produtivas específicas, que possuem cadastro no município, como vendedores ambulantes regularizados, artesãos, trabalhadores da economia solidária, catadores de recicláveis, produtores agroecológicos e quiosqueiros.

Entretanto, lembra o governo municipal, para os 6.735 MEIs e 2.104 taxistas, assim como os cadastrados no Empresa Cidadã, a última parcela foi paga no dia 15 de julho.

O Empresa Cidadã, que não foi renovado, foi um programa inédito no país e implementado em abril de 2020. Ficou há mais de um ano auxiliando 2.832 empresas no pagamento de salários e preservando mais de 15 mil postos de trabalho na cidade de Niterói.

A única justificativa da Prefeitura de Niterói é de que já investiu mais de R$ 174 milhões desde o início do programa, que beneficiou empresas, entidades religiosas, organizações sindicais, clubes e entidades filantrópicas que tivessem até 49 empregados com o pagamento de um salário mínimo, por três meses, para até nove empregados.

O projeto da moeda Arariboia começa em outubro. Ele tem o objetivo de gerar emprego e renda em regiões de maior desigualdade socioeconômica no município. A ideia é que a Arariboia seja usada como moeda local circulante, aquecendo e movimentando a economia nas comunidades. A iniciativa prevê contemplar as famílias em situação de maior vulnerabilidade, cadastradas no CadÚnico.

O benefício pode chegar ao valor de R$ 540 para famílias de até seis membros (valor de R$ 90 por pessoa), porém apenas um integrante da família poderá receber. A Prefeitura de Niterói fará um investimento mensal de R$ 5,6 milhões no programa. A moeda poderá ser usada nos comércios locais cadastrados, como padarias, pequenos mercados, hortifrutis, pequenos produtores, entre outros, fazendo o dinheiro circular dentro da própria comunidade.

< Audax avança à final do Santos Dumont; Copa Rio chega às oitavas Mbappé sinaliza com saída e PSG prepara reposição com 'ataque dos sonhos' <